V Encontro Anual da Rede de Pesquisa em Governança da Internet

novembro 22, 2022 – novembro 23, 2022


REDE 2022


Plataformização e datificação na/da Rede: governanças, colonialidades e resistências


Em sua recente obra, Brutalismo, Achille Mbembe aponta a razão digital como o novo mecanismo extrativista de valor, que observa o mundo como um enorme “reservatório a ser exaurido”. Esta racionalidade se inscreve no anseio humano do conhecimento integral, dentro de uma lógica maquínica de produção ininterrupta de fluxos de dados. “Mecanismos computacionais, modelagem algorítmica e a expansão do capital pela totalidade da vida são agora um único processo” (MBEMBE. Brutalismo, 2021, p. 74).

Em 2021, o Banco Mundial publicou o relatório de desenvolvimento, “Dados para uma vida melhor”. De acordo com a instituição, a cadeia de exploração econômica de dados é subutilizada em países pobres e emergentes, dificultando a competitividade e o desenvolvimento destes países. O relatório apresenta-se como um guia para países clientes do Banco Mundial, cujos recursos financeiros tornam-se acessíveis, mediante a adoção de recomendações deste organismo.

Para o banco, a atual economia global de dados exige um novo contrato social que abranja uma Governança de Dados composta pelo desenvolvimento de: i. infraestruturas de dados; ii. políticas, leis e regulamentos sobre dados; iii políticas econômicas relacionadas; iv. e instituições de governança de dados. Embora o relatório destaque o objetivo de horizonte equitativo, é notável a ausência de uma análise que inclua as contradições das relações entre o Norte e o Sul Global, suas desigualdades, e a massiva exploração de dados pelas big techs.

A crítica de Paola Ricaurte a essa racionalidade orientada por dados sugere que há uma dominância epistêmica, caracterizada pela colonização dos nossos de modos de ser, pensar e sentir, sustentada, por sua vez, no que a infraestrutura da Internet provê: “transações, fluxos e interações que convertem qualquer forma de existência em uma possível fonte de dados” (Data Epistemologies, The Coloniality of Power, and Resistance, 2019, p. 351. Livre tradução).

Como a própria autora sugere, a resistência a essas novas formas de dominação passa, então, pela reapropriação das técnicas e pela produção de formas de conhecimento que desafiem a extração e exploração de dados para a acumulação de capital. Como um convite à desobediência epistêmica e ao pensamento provocador, o V Encontro Anual da REDE nos convida a questionar criticamente:


1) Como a acumulação capitalista baseada na exploração de dados se relaciona com a Internet em suas múltiplas dimensões (técnica, social e de governança)?


2) Como o colonialismo de dados e as infraestruturas hegemônicas da rede reproduzem diversas formas de desigualdades, tais como as desigualdades raciais, de classe, de gênero, geográficas e geopolíticas?


3) Em vista da rápida disseminação de tecnologias emergentes baseadas na economia de dados, quais formas de resistências técnico epistêmicas se apresentam ou podem ser construídas?


As questões acima, bem como o foco nos processos de datificação e plataformização da sociedade, são provocações sugeridas pela REDE que podem inspirar os trabalhos submetidos dentro de suas respectivas temáticas e áreas de conhecimento, sejam estas de cunho teórico, técnico ou metodológico.

A Rede de Pesquisa em Governança da Internet (REDE) é uma rede acadêmica autônoma,  multi e transdisciplinar formada por pesquisadoras/es de temas relativos à Governança da Internet, que buscam discutir o plano tecnopolítico da rede e suas consequências técnicas, sociais, econômicas e para políticas públicas.

Nos dias 23 e 24 de novembro de 2022 acontecerá o V Encontro da REDE. O Encontro será realizado no formato online e tem por objetivo consolidar espaços de diálogos e interações entre pesquisadoras e pesquisadores de diferentes áreas e níveis de formação, ampliando debates e investigações sobre a Governança da Internet no Brasil. Nesta edição, os debates serão mobilizados a partir do tema Plataformização e datificação na/da Rede: Governanças, colonialidades e resistências.

 

1. A quem se dirige essa chamada de trabalhos?


A chamada de trabalhos se dirige a pesquisadoras/es, professoras/es e estudantes das diversas áreas e níveis de escolaridade que investigam objetos e temas da Governança da Internet, que estejam interessadas/os em submeter um trabalho em andamento para discussão e desenvolvimento de um artigo num ambiente qualificado, acolhedor e motivador. Todas/os as/os participantes também terão a oportunidade de ler e apreciar os trabalhos das/dos outras/os participantes do Encontro, num intercâmbio de abordagens, metodologias, referências e experiências.



2. Que tipo de contribuição esperamos receber?


  • Propostas de artigos em construção, não publicados ou apresentados em outros fórums de discussão;

  • Trabalhos baseados em pesquisa que podem envolver análise de literatura, análise de dados qualitativos e/ou quantitativos;

  • Propostas de novas abordagens teóricas e metodológicas para a pesquisa sobre Governança da Internet;

  • Pesquisas de cunho inter, multi e transdisciplinar sobre Governança da Internet;

  • Medições e dados inéditos sobre  o uso e desenvolvimento da rede em temas concernentes à Governança da Internet.


3. Eixos Temáticos:


Serão aceitas contribuições provindas de qualquer área disciplinar. A REDE indica abaixo alguns eixos temáticos relevantes para os quais espera receber contribuições, sem, no entanto, restringir a avaliação somente a estes:


  • Mecanismos, instituições e atores da Governança da Internet

  • Recursos críticos da Internet

  • Proteção de dados e privacidade na Rede

  • Infraestruturas da Internet

  • Cultura e diversidade

  • Economia da Internet

  • Medições de uso e desenvolvimento da Internet

  • Neutralidade da Rede

  • Padrões e protocolos

  • Cibersegurança
  • Jurisdição

  • Propriedade intelectual e Internet

  • Direitos humanos

  • Políticas públicas sobre a Internet
  • Liberdade de expressão na Rede

  • Princípios da Governança da Internet

  • Tecnologias emergentes e seus impactos
  • Tecnologias livres e Redes autônomas

  • Estudos de códigos e algorítmos

  • Inclusão, desigualdade digital e injustiça social
  • Internet e meio ambiente

  • Tecnologias e governanças de resistência

4. Formato do evento:

O Encontro da Rede 2022 mantém o formato do Encontro anterior, com discussão aprofundada e focada no desenvolvimento de trabalhos em andamento, a partir de um resumo expandido que, ao final do processo, resulta em um artigo a ser publicado nos anais do evento.


O evento contará com sessões  dedicadas exclusivamente ao debate aprofundado e individualizado dos trabalhos submetidos ao Encontro. Os trabalhos serão apresentados de forma sucinta pelas autoras e autores ao início da sessão, para em seguida serem apreciados e comentados por debatedoras/es qualificadas/os, também autoras/es de trabalhos do Encontro, podendo também receber contribuições de ouvintes presentes nas sessões.


5. Papéis das/os participantes no Encontro

Autoras/es: Autoras/es apresentarão de forma sucinta os seus trabalhos durante o evento, para em seguida receberem os comentários e contribuições de debatedoras/es, que farão a leitura do material previamente, e constituírem diálogos sobre objetos, temas, autores e metodologias.

Todas/os autoras/es que tiverem um trabalho aceito obrigatoriamente serão também debatedoras/es de 2 (dois) trabalhos durante o Encontro. Os trabalhos escritos para debate (trabalhos em andamento) serão distribuídos apenas entre autoras/es e debatedoras/es.

Debatedoras/es: Autoras/es que tenham trabalhos aceitos e que irão contribuir com o debate de outros dois trabalhos no evento. Nesse papel, deverão ler os trabalhos com antecedência e preparar comentários para colaborar com uma discussão intelectualmente prazerosa entre as/os participantes.

A discussão será pautada pelo respeito e pela gentileza. Debatedoras/es devem preparar comentários profundos e críticos, mas também amistosos e relevantes. Fornecer feedback pode ser tão gratificante intelectualmente quanto receber feedback. Esperamos que as/os debatedoras/es utilizem essa oportunidade para desenvolver pensamento crítico e generoso para com suas/seus pares.

Moderadoras/es: Pesquisadoras/es do Comitê Científico da REDE e Convidadas/os que serão responsáveis por ler o trabalho em andamento definido para sua sessão e sala respectivas, e moderar a discussão entre autoras/es e debatedoras/es.

Ouvintes: Participantes em geral que desejam participar do debate. A palavra será passada às/aos ouvintes, que poderão interagir com autoras/es e debatedoras/es durante o Encontro, desde que todas/os debatedoras/es designadas/os para um dado trabalho tenham se pronunciado ao menos uma vez.


6. Formato dos Trabalhos


6.1. 1a etapa - Seleção

As/os autoras/es deverão submeter propostas de trabalhos em andamento que tenham entre 800 e 1000 palavras (excluídos resumo e referências) e que estejam estruturadas do seguinte modo:


  • Título

  • Resumo (máximo 250 palavras)

  • Palavras-chave (3 a 5)

  • Resumo expandido (é desejável que contenha: introdução, objetivos, métodos, bases teóricas, justificativa, discussão-resultados).

  • Referências bibliográficas


Os trabalhos devem ser formatados conforme modelo. Utilize o template para submissão. Trabalhos fora do formato não serão considerados


As contribuições submetidas poderão ser escritas em Português, Inglês ou Espanhol, e serão avaliadas por, no mínimo, 02 (dois) pareceristas. Os trabalhos selecionados terão aproximadamente 1 (um) mês para serem convertidos de um resumo para trabalhos em andamento para discussão.


6.2. 2a etapa - Discussão


Os trabalhos em andamento para discussão deverão ter entre 4000 e 5500 palavras (excluídos resumo e referências), e deverão seguir a mesma estrutura definida para a proposta.


Os trabalhos serão discutidos de maneira sincrônica e online no dia do Encontro, sendo debatidos em salas exclusivas e independentes. Os debates serão feitos em Português.


6.3. 3a etapa - Anais


Ao participar do Encontro, as/os autoras/es se comprometem em enviar um artigo completo, considerando as discussões e comentários das/os debatedoras/es, após aproximadamente 30 dias do evento, para publicação nos Anais do Encontro. O não envio do artigo completo pode implicar na sua não consideração em edições posteriores do evento.

O artigo final deverá conter de 6000 a 7000 palavras e deverá estar de acordo com a norma ABNT para apresentação de trabalhos acadêmicos (ABNT NBR 14724) e para referências bibliográficas (ABNT NBR 6023).


7. Datas Importantes:

  • 01/08/2022 a 09/09/2021 - Período de Submissão Prorrogado - Resumo estendido

  • 26/09/2022 - Resultado dos trabalhos selecionados

  • 30/09/2022 - Prazo para RSVP

  • 28/10/2022 - Entrega dos trabalhos (working papers)

  • 31/10/2022 – Circulação do(s) trabalho(s) para feedback para debatedoras/es e moderadoras/es

  • 22/11/2022 e 23/11/2022 (data alterada devido à Copa do Mundo) - V Encontro da REDE (REDE 2022) - Virtual

  • 23/12/2022 - Entrega do trabalho final para Anais da REDE


8. Local do evento:


O Encontro será realizado de forma online.

Anais do V Encontro da Rede de Pesquisa em Governança da Internet

ISSN: 2675-1690

v.5, 2022

Os trabalhos completos do V Encontro da Rede de Pesquisa em Governança da Internet já estão disponíveis.

O V Encontro da Rede de Pesquisa em Governança da Internet e os Anais resultantes deste encontro receberam apoio da Internet Society - Capítulo Brasil e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)

Data: 22 e 23 de novembro de 2022


DIVERSIDADE E TERRITORIALIDADE: COMO INDICADORES DO CGI.BR A PARTIR DOS RELATÓRIOS DE 2005 A 2009
Raimundo Miguel Benjamim[link]

ON THE COEXISTENCE OF 5G NETWORK SLICING AND NET NEUTRALITY
Hermann Bergmann Garcia e Silva; Manuel Alberto Pereira Ricardo [link]

IN DATA WE TRUST: A (CIBER) INFORMAÇÃO COMO INSTRUMENTO DE PODER POLÍTICO
Cristina Carvalho Pacheco; Rebeca Rabêlo [link]

DIVERSIDADE NA GOVERNANÇA DA INTERNET NO BRASIL: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE GÊNERO, RAÇA E TERRITÓRIO DE 2005 A 2020
Maiara Stefany Nascimento Fonseca; Mariana Gomes da Silva Soares [link]

INSUFICIÊNCIA DOS PRINCÍPIOS ÉTICOS PARA NORMATIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL: O ANTIRRACISMO E A ANTI-DISCRIMINAÇÃO COMO VETORES DA REGULAÇÃO DE IA NO BRASIL
Marina Garrote; Paula Guedes Fernandes da Silva [link]

OS USOS DA LITERATURA COMO FORMA DE PRODUÇÃO DE SEGUIDORES NO YOUTUBE: ENTRE O INFORMAR E O DESINFORMAR E A GESTÃO ALGORÍTMICA NEOLIBERAL DAS BIG TECH COMO PRÁTICA LABORAL
Julio Marinho Ferreira [link]

ENCAPSULAMIENTO DE TRÁFICO DE TOR EN SISTEMAS MÓVILES LTE AUTÓNOMAS
Javier de la cruz Martínez [link]

LIBERDADE DE EXPRESSÃO NO FÓRUM DE GOVERNANÇA DA INTERNET: PERSPECTIVA TECNOPOLÍTICA DA EVOLUÇÃO DO DEBATE SOBRE FRUIÇÃO DE CONTEÚDO NA WEB
Adriana Veloso Meireles [link]


Informações sobre a Conferência



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rede de Pesquisa em Governança da Internet